Património Cultural

 Igreja Matriz

 

Igreja Matriz

A Igreja Matriz, de Santa Eulália, domina a vista sobre o Rio e Valbom.
É Igreja do séc. XVIII, de uma só nave, cinco altares barrocos de rica talha e imagens antigas.

 Santuário do Monte da Virgem

santuario do monte

Santuário do Monte da Virgem

A 216m de altitude, o Monte da Virgem é um local muito frequentado e um belo miradouro sobre a freguesia, com uma deslumbrante vista para a cidade do Porto. É, sem dúvida, a mais bela imagem que dali se desfruta sobre a cidade. Durante séculos foi denominado por “Monte Grande”, até que, a 8 de Janeiro de 1905 se iniciou a construção da Capela à Virgem Imaculada, por iniciativa de um grupo de amigos desta freguesia. A inauguração desta magnífica obra teve lugar a 22 de Agosto de 1937.
Actualmente conhecido como “Monte da Virgem”, deve o seu nome ao culto mariano que se celebra na Capela, onde se pode encontrar uma imagem de Nossa Senhora da Conceição.

 Mosteiro e Quinta dos Frades

qtdosfrades

Mosteiro e Quinta dos Frades

Tipologia: Arquitectura Religiosa/ Mosteiro
Localização: Oliveira do Douro
Outras Informações: Em vias de classificação

Caracterização: A freguesia de Oliveira do Douro, antigamente sede de um arcediago do Cabido Portucalense (instituído em 1455 e posteriormente elevado a vigararia) caracteriza-se pela quantidade de quintas que, outrora, dominavam grande parte do seu território. Entre elas, encontrava-se a do Mosteiro dos Frades, fundada em 1679 pelos cónegos seculares de São João Evangelista, mais conhecidos por Lóios, devido à devoção a Santo Elói (PACHECO, 1986, p. 269). A congregação de São João Evangelista, de fundação portuguesa, foi criada na primeira metade do século XV, alargando gradualmente a sua influência a todo o país, e actuando, principalmente no campo da assistência hospitalar. Na área do Douro Litoral, a presença dos também denominados por frades azuis, assim designados por causa da cor do hábito, era testemunhada pelo primeiro convento de Vilar de Frades (Braga), pelo da cidade do Porto fundado em 1490, e pelo de Vila da Feira, que remonta aos meados do século XVI (TAVARES, 149-157). O de Vila Nova de Gaia é uma fundação posterior, dedicada a Nossa Senhora da Conceição da Oliveira. Por esta razão a paróquia era também conhecida por Oliveira dos Frades. Actualmente, conserva-se apenas a igreja e parte dos edifícios, estes últimos bastante modificados, em consequência da adaptação dos espaços para habitação. A fachada da igreja encontrava-se ligada às antigas dependências conventuais, por um lado, e por outro à torre sineira. A arquitectura chã marca todo o edifício, e a frontaria do templo apresenta uma arcaria que antecede o portal. Sobre esta, rasgam-se as janelas do coro, de moldura rectilínea, e o frontão triangular com óculo central. Dois pináculos laterais marcam os cunhais, e uma cruz ergue-se sobre o frontão. Do interior, restam ainda alguns elementos que testemunham a antiga decoração do templo em talha dourada, principalmente ao nível da capela-mor e do seu retábulo. Com a extinção das ordens religiosas, a Quinta foi adquirida por Marcelino Máximo de Azevedo e Melo (1794-1853), primeiro visconde de Oliveira do Douro, que desempenhou, entre outros, o cargo de Secretário de Estado dos Negócios da Fazenda. Foi sepultado na igreja do mosteiro, em 1853. A propriedade manteve-se, depois, na posse desta mesma família